• Bhalai - Conteúdo

4 Nobres Verdades do Buda: o que são


As 4 Nobres Verdades do Buda
As 4 Nobres Verdades do Buda

O ensinamento comumente chamado de “quatro nobres verdades” é o ensinamento mais conhecido do Buda. Este personagem viveu e ensinou durante o século 5 a.C. no norte da Índia.


As quatro palavras que compreendem as quatro verdades - sânscrito duḥkha e Pāli dukkha ("dor"), samudaya ("surgimento"), nirodha ("fim") e mārga / magga ("caminho") ou dukkhanirodhagāminī paṭipadā ("caminho que conduz até o fim da dor ”) - são registrados em Pāli e Sânscrito nos diferentes cânones budistas, e as tradições literárias têm sido muito consistentes em como se lembram deles.


As Nobres Verdades são explicadas no “Sutta do Girar da Roda do Dhamma” (Dhammacakkappavattana Sutta). Apesar da ampla consciência das quatro verdades, as complexidades associadas a esse ensino não são comumente compreendidas. Muitas das questões técnicas que cercam o ensino discutido são significativas quando comparadas aos primeiros estudos sobre ele no século XIX e no início do século XX.


Visão Histórica


As quatro nobres verdades são mais facilmente encontradas no cânone Pāli da escola Theravāda, e é importante examinar as passagens da fonte primária. Novos estudos também estão surgindo sobre as quatro nobres verdades dos cânones budistas sânscritos.


O mais conhecido é o Dhammacakkappavattana Sutta (Sutta sobre o giro da roda do dhamma), mas as quatro nobres verdades são amplamente mencionadas em todo o cânon Pāli, como no Grande Discurso sobre o estabelecimento da plena atenção (Mahāsatipaṭṭhāna Sutta) no Dīgha-nikāya.


É igualmente importante examinar como cada tradutor traduz os termos-chave das quatro verdades. Por exemplo, o sânscrito duḥkha e Pāli dukkha são frequentemente traduzidos como “dor”, “sofrimento”, “estresse” ou “doença” (e como um adjetivo, “doloroso, estressante”); as diferentes traduções encontradas no site Access to Insight são úteis para tal comparação, e a tradução de I. B. Horner para a Pali Text Society está amplamente disponível.


O estudo das quatro nobres verdades em Anderson 1999 fornece referências a outras passagens do cânone Pāli e uma estrutura mais ampla para estudar o ensino. As visões gerais oferecidas por Gethin 1998, Harvey 2013a, Harvey 2013b, Cousins ​​2003 localizam as quatro nobres verdades na história mais ampla do budismo primitivo, e estas são preferidas a outras introduções às quatro verdades e ao budismo porque se concentram em uma compreensão detalhada do quatro verdades.


Budismo: uma introdução


O budismo é uma importante religião global com uma história e um sistema de crenças complexos. O que se segue destina-se apenas a apresentar a história e os princípios fundamentais do budismo, e de forma alguma cobre a religião de forma exaustiva. Para aprender mais sobre o budismo, você pode buscar online outras fontes de informações mais detalhadas.


Siddhartha Gautama: a estátua de Buda (ou Buddha)


Os historiadores estimam que o fundador do budismo, Siddhartha Gautama, viveu de 566 (?) a 480 (?) a.C. Filho de um rei guerreiro indiano, Gautama levou uma vida extravagante até a idade adulta, deleitando-se com os privilégios de sua casta social.


Mas, quando se cansou das indulgências da vida real, Gautama vagou pelo mundo em busca de entendimento. Depois de encontrar um velho, um doente, um cadáver e um asceta, Gautama se convenceu de que o sofrimento é o fim de toda a existência.


Ele renunciou a seu título principesco e tornou-se monge, privando-se de posses mundanas na esperança de compreender a verdade do mundo ao seu redor. O ponto culminante de sua busca veio enquanto meditava debaixo de uma árvore, onde ele finalmente entendeu como se livrar do sofrimento e, finalmente, como alcançar a salvação. Após essa epifania, Gautama ficou conhecido como Buda, que significa o "Iluminado". O Buda passou o resto de sua vida viajando pela Índia, ensinando aos outros o que ele havia aprendido.


As Quatro Nobres Verdades


As Quatro Nobres Verdades compreendem a essência dos ensinamentos de Buda, embora deixem muito sem explicação. Elas são a verdade do sofrimento, a verdade da causa do sofrimento, a verdade do fim do sofrimento e a verdade do caminho que leva ao fim do sofrimento.


Simplificando, o sofrimento existe; tem uma causa; tem um fim; e tem uma causa para ocasionar o seu fim. A noção de sofrimento não pretende transmitir uma visão negativa do mundo, mas sim uma perspectiva pragmática que lida com o mundo como ele é e tenta retificá-lo.


O conceito de prazer não é negado, mas reconhecido como passageiro. A busca do prazer só pode continuar o que é, em última análise, uma sede insaciável. A mesma lógica desmente uma compreensão da felicidade. No final, apenas o envelhecimento, a doença e a morte são certos e inevitáveis.


As Quatro Nobres Verdades são um plano de contingência para lidar com o sofrimento que a humanidade enfrenta - sofrimento de tipo físico ou mental.


A Primeira Verdade identifica a presença de sofrimento. A segunda verdade, por outro lado, busca determinar a causa do sofrimento. No budismo, o desejo e a ignorância estão na raiz do sofrimento. Por desejo, os budistas se referem ao anseio pelo prazer, pelos bens materiais e pela imortalidade, todos esses desejos que nunca podem ser satisfeitos. Como resultado, desejá-los só pode trazer sofrimento. A ignorância, em comparação, está relacionada a não ver o mundo como ele realmente é. Sem a capacidade de concentração mental e discernimento, explica o budismo, a mente fica subdesenvolvida, incapaz de compreender a verdadeira natureza das coisas. Vícios, como ganância, inveja, ódio e raiva, derivam dessa ignorância.


A Terceira Nobre Verdade, a verdade do fim do sofrimento, tem duplo significado, sugerindo ou o fim do sofrimento nesta vida, na terra, ou na vida espiritual, por meio do alcance do Nirvana.


Quando alguém atinge o Nirvana, que é um estado transcendente livre de sofrimento e de nosso ciclo mundano de nascimento e renascimento, a iluminação espiritual é alcançada. A Quarta Nobre Verdade mapeia o método para atingir o fim do sofrimento, conhecido pelos budistas como o Nobre Caminho Óctuplo. Os passos do Nobre Caminho Óctuplo são:

  • Compreensão Correta,

  • Pensamento Correto,

  • Fala Correta,

  • Ação Correta,

  • Meio de Vida Correto,

  • Esforço Correto,

  • Atenção Plena Correta e

  • Concentração Correta.

Além disso, existem três temas nos quais o Caminho é dividido:

  • boa conduta moral (Compreensão, Pensamento, Fala);

  • meditação e desenvolvimento mental (ação, sustento, esforço); e

  • sabedoria ou insight (atenção plena e concentração).


Carma (ou Karma)


Ao contrário do que é aceito na sociedade contemporânea, a interpretação budista do carma não se refere ao destino predeterminado. Carma se refere a boas ou más ações que uma pessoa realiza durante sua vida.


Boas ações, que envolvem a ausência de más ações ou atos positivos reais, como generosidade, retidão e meditação, trazem felicidade a longo prazo. Ações ruins, como mentir, roubar ou matar, trazem infelicidade a longo prazo.


O peso que as ações carregam é determinado por cinco condições:

  • ação frequente e repetitiva;

  • ação determinada e intencional;

  • ação realizada sem arrependimento;

  • ação contra pessoas extraordinárias; e

  • ação para com aqueles que ajudaram alguém no passado.

Finalmente, existe também o carma neutro, que deriva de atos como respirar, comer ou dormir. O carma neutro não tem benefícios ou custos.


O Ciclo de Renascimento


O carma se desenvolve no ciclo de renascimento do budismo. Existem seis planos separados nos quais qualquer ser vivo pode renascer - três reinos afortunados e três reinos infelizes. Aqueles com carma favorável e positivo renascem em um dos reinos afortunados: o reino dos semideuses, o reino dos deuses e o reino dos homens. Enquanto os semideuses e deuses desfrutam de uma gratificação desconhecida para os homens, eles também sofrem de ciúme e inveja incessantes.


O reino do homem é considerado o reino mais elevado de renascimento. A humanidade carece de algumas das extravagâncias dos semideuses e deuses, mas também está livre de seu conflito implacável. Da mesma forma, enquanto os habitantes dos três reinos infelizes - dos animais, fantasmas e inferno - sofrem um sofrimento indescritível, o sofrimento do reino do homem é muito menor.


O reino do homem também oferece um outro aspecto ausente nos outros cinco planos, uma oportunidade de alcançar a iluminação, ou Nirvana. Dado o grande número de seres vivos, nascer humano é para os budistas uma chance preciosa de felicidade espiritual, uma raridade que não se deve abandonar.


Como entender as Quatro Nobres Verdades


As Quatro Nobres Verdades são talvez a formulação mais básica dos ensinamentos do Buda. Elas podem ser expressas da seguinte forma:


1. Toda a existência é dukkha. A palavra dukkha foi traduzida de várias maneiras como "sofrimento", "angústia", "dor" ou "insatisfação". O insight do Buda foi que nossas vidas são uma luta, e não encontramos felicidade ou satisfação em nada que experimentamos. Este é o problema da existência.


2. A causa de dukkha é o desejo. A tendência natural do ser humano é culpar nossas dificuldades por coisas externas a nós mesmos. Mas o Buda diz que sua verdadeira raiz deve ser encontrada na própria mente. Em particular, nossa tendência de agarrar as coisas (ou alternativamente de afastá-las) nos coloca fundamentalmente em desacordo com a maneira como a vida realmente é.


3. A cessação de dukkha vem com a cessação do desejo. Como somos a causa última de nossas dificuldades, também somos a solução. Não podemos mudar as coisas que nos acontecem, mas podemos mudar nossas respostas.


4. Existe um caminho que leva de dukkha. Embora o Buda devolva a responsabilidade ao indivíduo, ele também ensinou métodos pelos quais podemos mudar a nós mesmos, por exemplo, o Nobre Caminho Óctuplo.


Embora o termo Quatro Nobres Verdades seja bem conhecido em português, alguns o veem como uma tradução enganosa do termo Pali Chattari-ariya-saccani (Sânscrito: Chatvari-arya-satyani), porque nobre (Pali: ariya; Sânscrito: arya) não se refere a as verdades em si, mas `qqueles que as entendem.


Uma tradução mais precisa, portanto, poderia ser “quatro verdades para os [espiritualmente] nobres”. Elas consistem em quatro fatos que são conhecidos como verdadeiros por aqueles com percepção da natureza da realidade, mas que não são considerados verdadeiros pelos seres comuns. O Buda afirmou em seu primeiro sermão que quando obteve conhecimento absoluto e intuitivo das quatro verdades, ele alcançou a iluminação completa e a liberdade de um futuro renascimento.


As Quatro Nobres Verdades são aceitas por todas as escolas do Budismo e têm sido objeto de extensos comentários. Elas podem ser resumidos da seguinte forma. A primeira verdade, sofrimento (Pali: dukkha; Sânscrito: duhkha), é característica da existência no reino do renascimento, chamado samsara (literalmente “errante”). Em seu sermão final, o Buda identificou como formas de sofrimento, nascimento, envelhecimento, doença, morte, encontro com o desagradável, separação do agradável, não obter o que se deseja e os cinco "agregados" (skandhas) que constituem a mente e o corpo (matéria, sensações, percepções, formações mentais e consciência).


A segunda verdade é a origem (Pali e Sânscrito: samudaya) ou causa do sofrimento, que o Buda associou ao desejo ou apego em seu primeiro sermão. Em outros textos budistas, as causas do sofrimento são entendidas como decorrentes de ações negativas (por exemplo, matar, roubar e mentir) e os estados mentais negativos que motivam ações negativas (por exemplo, desejo, ódio e ignorância). Nesses textos, o estado mental de ignorância se refere a uma concepção errônea ativa da natureza das coisas: ver prazer onde há dor, beleza onde há feiura, permanência onde há impermanência e eu onde não há eu.


A terceira verdade é a cessação do sofrimento (Pali e Sânscrito: nirodha), comumente chamada de nibbana (Sânscrito: nirvana).


A quarta e última verdade é o caminho (Pali: magga; Sânscrito: marga) para a cessação do sofrimento, que foi descrito pelo Buda em seu primeiro sermão.


As quatro verdades, portanto, identificam a natureza insatisfatória da existência, identificam sua causa, postulam um estado em que o sofrimento e suas causas estão ausentes e estabelecem um caminho para esse estado.

Posts recentes

Ver tudo