• Bhalai - Conteúdo

O que é Tai Chi Chuan (Taijiquan)?



Tai Chi Chuan é um sistema de exercícios chinês apreciado por milhões de pessoas em todo o mundo. Originalmente desenvolvido como uma arte marcial altamente eficaz, agora também é praticado por pessoas de todas as idades por uma ampla gama de razões: é um exercício suave para aqueles com limitações físicas; um sistema corpo/mente com qualidades meditativas; e também é um método de autocultivo.


Significado de ‘Tai Chi Chuan’


As palavras “Tai Chi Chuan” (também escritas como Taijiquan) ilustram os conceitos no centro do sistema e são traduzidas como “Supremo Último Punho”.


Tai Chi (Taiji) é o símbolo usado para representar as forças opostas, porém complementares, de Yin e Yang.


Chuan (Quan) pode ser traduzido como "Punho" ou "Boxe". Portanto, Tai Chi Chuan é um sistema de arte marcial que opera na aplicação prática do conceito filosófico taoísta de Tai Chi. Este é um princípio centrado na compreensão das mudanças em curso na relação entre as qualidades de Yin e Yang e é um componente integral de muitas disciplinas chinesas, incluindo Medicina Tradicional Chinesa, Geomancia Chinesa (Feng Shui), Adivinhação (I Ching) e Astrologia.


O símbolo do Tai Chi combina formas pretas e brancas semelhantes a peixes dentro de um círculo.


O círculo vazio representa a noção de Wu Chi - vazio ou nada, o ponto de partida antes da criação. Os praticantes de Tai Chi são encorajados a permanecer em silêncio antes de iniciar a 'Forma' ou rotina de exercícios, para 'esvaziar' suas mentes e desenvolver uma conexão mais profunda com os céus acima e o solo abaixo, "Céu" e "Terra", estando o homem conectado entre ambos.


Yin e Yang


Após a criação, vem a interação das duas energias Yin e Yang. No símbolo do Tai Chi, elas são representadas em quantidades iguais ou em equilíbrio. Este símbolo ilustra o desejo de trabalhar para atingir o equilíbrio, principalmente desenvolvendo um senso de onde há desequilíbrio ou desarmonia. Essas duas qualidades podem representar todos os aspectos da criação e aqui estão alguns exemplos comuns:


Yin e Yang, princípio do Tai Chi
Yin e Yang, princípio do Tai Chi

Yin - Yang

Sol - Lua

Dia - noite

Verão - inverno

Masculino - feminino

Duro - Macio

Fora - dentro


Se olharmos para alguns desses exemplos, podemos considerar as transições graduais, por exemplo: o nascer e o pôr do sol (Yang) e o aparecimento e o desaparecimento da lua (Yin), à medida que o dia (Yang) muda para a noite (Yin); ou a mudança das estações do verão (Yang), através do outono, inverno (Yin), e então para o novo crescimento da primavera.


Na arte do Tai Chi Chuan, também aprendemos a vivenciar (geralmente em um nível muito profundo) as mudanças contínuas do Yin para o Yang e do Yang para o Yin.


Ao passar de uma postura para a próxima, colocamos suavemente o calcanhar no chão, testando para ver se temos um lugar firme para pisar. À seguir, transferimos lenta e gradualmente nosso peso do apoio anterior para o novo apoio, enquanto experimentamos o "esvaziamento" de uma perna e o "enchimento" da outra.


A parte inferior do nosso corpo estará profundamente conectada ao solo ou à terra (Yin), enquanto a parte superior permanecerá leve, aberta e flexível, alcançando o céu (Yang).


Na aplicação marcial, permitimos que nosso oponente aplique toda a força (Yang) de seu ataque enquanto o tocamos suavemente ou "aderimos" a ele conforme ele se move. Na sequência, permitimos que nossa outra mão ou se mova livremente, desde a rotação do corpo, ou se conecte ao adversário em seu lado aberto ou vazio.


Como é uma aula de Tai Chi Chuan?


Uma aula de Tai Chi Chuan pode ser feita de várias maneiras, refletindo a variedade de formas com que ele pode ser ensinado e praticado. A lição de tai chi pode focar os vários estilos-chave e seus muitos desdobramentos, ou até mesmo diversos outros aspectos, como: rotina solo ou 'Forma'; exercícios para parceiros, que variam desde um trabalho suave de 'sentir' ou empurrar mãos; ou até mesmo exercícios de parceiros e aplicações marciais de contato total. Muitos instrutores dividem a lição como a seguir:


1. Início


A maioria das aulas de exercícios geralmente são iniciadas por algum trabalho de aquecimento do corpo antes de um treino mais vigoroso.


Porém, muitos aprendizes e instrutores de tai chi podem estar focados em se mover lentamente e com sensibilidade, enquanto desenvolvem uma consciência profunda de como o corpo se sente em vários níveis. Se for este o caso, não há necessidade de aquecer o corpo antes da aula.


Durante o trabalho de tai chi, aprendemos a relaxar nossos corpos, afrouxando as tensões retidas. Isto é feito por meio de uma série de movimentos que são dominados por girar o corpo a partir da cintura e área pélvica e / ou mudar nosso peso de um pé para o outro, enquanto permitimos que os braços balancem como um pêndulo. À medida que os braços se afrouxam e se iluminam, eles se movem livremente, como extensões naturais de nosso corpo.


2. Trabalho de respiração de tai chi


Durante a prática do tai chi, prestamos atenção à nossa respiração, permitindo que venha mais profundamente em nossa barriga do que em nosso peito ou parte superior do corpo, como ocorre em muitas vezes em que estamos submetidos a situações de estresse, tensão ou conflito.


Antes de iniciar qualquer movimento, os alunos são frequentemente encorajados a passar algum tempo em silêncio enquanto "ouvem" sua respiração e aquietam a mente. Existem muitas disciplinas trabalhando com este princípio como uma ferramenta para autoconsciência e atenção plena.


3. Relaxamento


Um aspecto essencial do tai chi é relaxar o corpo e a mente. Ao ‘ouvir’ nossa respiração, afrouxando as tensões retidas no corpo e acalmando a mente, aprendemos a relaxar o todo integrado.


O relaxamento é melhor alcançado quando a pessoa desenvolve um senso real de suas tensões e estresses contínuos, tanto físicos quanto mentais. Uma vez que isso é percebido, podemos lenta e gradualmente dar passos para melhorar as coisas. Como no tai chi, movendo-nos lentamente, com sensibilidade e consciência, chegamos mais perto de perceber todas essas tensões e deixá-las se libertar de nossos corpos e mentes.


Forma da mão do Tai Chi Chuan
Forma da mão do Tai Chi Chuan

A série lenta e contínua de movimentos fluidos vistos em qualquer parque chinês no início da manhã costuma ser a forma da mão do Tai Chi Chuan. Esta é uma série de movimentos especificamente coreografados, conhecida como 'Forma'.


Durante o processo de realização dessas rotinas, trabalhamos com o aprendizado de desenvolver uma conexão com o solo, através da transferência lenta do peso de um pé para o outro, relaxando os grupos musculares até atingir uma postura ereta e correta. Com o tempo, chegamos mais perto de compreender a ergonomia do corpo, como se mover com fluência, eficiência e eficácia de uma forma fluida coordenada.


4. Trabalho com Parceiro


À medida que nos acostumamos com a coreografia da 'Forma', trabalhar com um parceiro nos permite alcançar uma estrutura segura para testar se os princípios de relaxamento, fluidez e eficácia do movimento estão sendo realmente aprendidos.


O trabalho com o parceiro pode variar de exercícios de detecção suaves; aplicação de leves pressões ou empurrões para desenvolver a capacidade de resposta; ou pode consistir até mesmo em luta de contato total. Os princípios, entretanto, são os mesmos. Quando uma força vem em nossa direção, aprendemos a nos mover com ela, em vez de contra ela.


4.1. Empurrar as mãos


Empurrar as mãos é um exercício de treinamento em que um parceiro coloca a palma da mão contra o pulso do outro e o pressiona em direção ao centro. Empurrões devem ser executados apenas quando se tem uma sensação real de contato com o centro do parceiro, ou seja, não consiste em apenas colocar as mãos na superfície do pulso do outro e empurrá-lo indiscriminadamente, sem nenhum senso real de conexão.


4.2. Empurrão com uma única mão


Uma forma de iniciar a prática de tai chi com um parceiro é com o "Empurrão com uma única mão", no qual apenas uma mão está em contato com o parceiro. A pessoa que está sendo empurrada deve trabalhar no sentido de se mover tão pouco quanto necessário em relação ao empurrão do outro. É preciso enfatizar aqui que as mãos são apenas o ponto de contato, e o empurrão deve resultar em todo o corpo se movendo em direção ao centro do parceiro enquanto o peso é transferido para a frente.


4.3. Empurrão com as duas mãos


No empurrão com duas mãos, o contato é feito com uma mão no pulso e a outra mão posicionada sobre a articulação do cotovelo do parceiro. Estar em contato com duas articulações adjacentes cria a oportunidade de controlar seu parceiro.


Em seguida, o empurrão é feito, novamente em direção ao centro do parceiro, mas agora usando uma conexão de corpo inteiro. Quando você está sendo empurrado desta forma, o objetivo seria novamente se mover para trás ou ao redor, em relação ao empurrão, e girar a cintura para permitir que o impulso de seu parceiro seja "neutralizado". Mais uma vez, o objetivo não é bloquear ou impedir o empurrão de seu parceiro, mas sim permitir que ele force o quanto quiser, enquanto você evita a ação e cria o potencial para que seu oponente se esforce demais e se desequilibre.


4.4. Empurrão livre


No empurrão livre, os objetivos são os mesmos: você deve tentar encontrar o centro do parceiro e permitir que ele saia dele e perca o seu equilíbrio. Aqui, os locais para empurrar não se restringem às mãos e aos braços, mas sim a qualquer parte do corpo, exceto a cabeça ou, é claro, a área ao redor dos genitais.


Em todos esses exercícios com parceiros, aprendemos a aumentar nossa sensibilidade, tempo, consciência, equilíbrio, estrutura, foco e atenção. Empurrando e sendo empurrados simultaneamente, estamos continuamente experimentando as mudanças de yin (passivo, macio receptivo) para yang (ativo, externo e forte), enquanto mantemos nosso equilíbrio central.


4.5. San Shou


San Shou é uma luta livre e de contato total. Novamente, os mesmos princípios se aplicam a todos os outros trabalhos com parceiros. Tentamos trabalhar para evitar ataques de bloqueio, ou empurrando ativamente nosso oponente para longe, conforme nos movemos de acordo com sua força; ou evitando e nos movendo ao redor dos golpes do parceiro, engajados em seu fluxo e direção e retornando nossa força conforme eles sejam neutralizados.


Em alguns casos, o termo "San Shou" é frequentemente aplicado a rotinas de luta coreografadas especificamente ou "formas" de parceiros. No entanto, esta é uma adoção imprecisa da terminologia.


4.6. Da Lui


Da Lui é uma rotina de parceiros com etapas, posturas e sequências claramente definidas, de modo a permitir aos "jogadores" exercitar ou treinar os princípios essenciais do tai chi chuan dentro de uma estrutura particular.


5. Formas de armas de Tai Chi Chuan

Armas utilizadas no Tai Chi Chuan
Armas utilizadas no Tai Chi Chuan

Existem várias formas de armas praticadas no tai chi, algumas das quais tradicionalmente usadas, e outras que foram adotadas em alguns estilos para aumentar a gama de habilidades de treinamento.


Inicialmente, havia quatro armas clássicas usadas no tai chi: espada, sabre, lança e bastão. Embora devamos entender que há pouco uso para essas várias armas como instrumentos de combate nos dias de hoje, o treinamento com tais armas pode aumentar a compreensão que o praticante desenvolve a respeito dos princípios do tai chi.


5.1. Espada de Tai Chi ou 'Jian'


Espada de Tai Chi
Espada de Tai Chi

A espada tai chi é considerada por muitos a arma dos cavalheiros. É usado para perfurar ou fatiar em vez de cortar ou retalhar e, como tal, requer um maior uso de precisão, delicadeza e sutileza.


O instrumento de dupla face e lâmina plana é afiado em ambos os lados, de ponta a ponta. O tamanho ideal para uma espada de tai chi deve ser aquele no qual a ponta alcance a extremidade da orelha do praticante quando a espada é segurada pela mão e mantida plana, contra a lateral do corpo, e voltada para cima.


Praticar a forma da espada ajuda a desenvolver o foco, suavidade, fluidez, equilíbrio e o "enraizamento".


5.2. Sabre Tai Chi ou ‘Dao’


O sabre de tai chi, também conhecido como espada larga, é usado para cortar os oponentes e, como tal, requer velocidade, precisão e força. O instrumento de lâmina plana é afiado e curvo em uma das bordas, e achatado e rombudo na outra.


A lâmina maior e plana é usada para bloquear ataques ao corpo, enquanto a lâmina afiada serve claramente para cortar ou cortar. O comprimento da arma deve permitir que a ponta atinja o topo do ombro quando for agarrada com a mão, quando a borda plana é encostada na lateral do braço.


Praticar a forma de sabre desenvolve foco, fluidez, velocidade, força e intenção marcial.


5.3. Lança de Tai Chi ou ‘Qiang’


Lança Tai Chi - Estilo Chen
Lança Tai Chi - Estilo Chen

A lança tai chi é uma longa vara de madeira, de aproximadamente 3 metros de comprimento, com uma ponta metálica. A lança é usada para perfurar ataques, bloquear ataques, e mover-se em direção a investidas.


A lança desenvolve força, velocidade, intenção, foco e flexibilidade.



6. Breve história do Tai Chi Chuan


Muito do que passou a ser aceito como a história do tai chi está repleto de lendas, começando com a de Zhang San Feng, um ex-funcionário do governo que se dirigiu à montanha sagrada daoísta (Wudang Shan) para se preparar para a próxima vida por meio de meditação e contemplação.


Durante uma sessão de meditação, ele entrou em transe, tendo a visão de uma luta entre uma cobra e uma garça. Quando a cobra disparou para atingir a garça, a garça recuou para cima e para trás para evitar o ataque. A garça, então, rebateu a cobra bicando para baixo, o que fez a cobra escorregar para fora de seu alcance. A luta continuou por algum tempo sem ferimentos ou danos a nenhuma das criaturas.


As imagens de pássaros e cobras prevalecem em muitas culturas como símbolos do homem e da mulher e, dada a natureza do tai chi chuan, esta história é sem dúvida alegórica. Também há indicações de que Zhang pode ter estudado boxe Shaolin e outras artes marciais antes. Por causa desse sonho e de suas experiências marciais anteriores, ele posteriormente desenvolveu uma série de movimentos que constituíram a gênese do que se tornou o tai chi chuan.


Para isso, ele aplicou os princípios do Tai Chi (a compreensão das mudanças contínuas de Yin para Yang e vice-versa) junto com os movimentos naturais e fluidos dos animais.

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo